Memorial Petronio Augusto Pinheiro
PRINCIPAL AMAZÔNIA BIOGRAFIA EMPREENDEDOR FAMÍLIA DOCUMENTOS ÁLBUM VÍDEOS AUDIOTECA LIVRO DE VISITAS
O Estado Novo e o desenvolvimento fabril.
-A  A+

 A quebra da Bolsa de Valores em Nova Iorque, em 1929, trouxera uma crise sem paralelo ao capitalismo. O mundo dos negócios ruiu. Como o principal produto da pauta de exportações brasileiras nesta ocasião era o café, um “produto de sobremesa”, o baque nacional foi significativo, pois em situações de crise, as sociedades humanas economizam com o supérfluo, a começar pelo café.

O Estado Novo estabelecia-se na mesma época em que, na Europa, o fascismo e a guerra entre as burguesias monopolistas das potencias capitalistas patenteavam a crise das democracias liberais e ameaçavam destruir a primeira experiência socialista iniciada na União Soviética.

Na expectativa de mudanças, o cotidiano descreve massas de desempregados vagando pelas cidades e pelos campos do Brasil de então, acreditando que o novo governo resolveria todos os seus problemas. Era um país mergulhado em contradições num mundo conflagrado por agitação social, greve, ocupações de fábricas, ameaça de “golpes vermelhos” na velha Europa, mudanças de regimes constitucionais e intensa produção bélica.

A classe operária estava nas ruas. O desenvolvimento fabril; o exíguo grupo capitalista organizado em oligarquias patronais, que se havia abalançado à criação de fábricas com uma base salarial baixíssima, salário de escravo, exploração brutal do braço humilde que se encontrava em abundância no país, gente de pé descalço e alimentação parca: um punhado de farinha de mandioca, feijão, arroz, carne-seca, artigos alimentares baratos e abundantes nos mercados, café adoçado com mascavo e um pouco de farinha, pois o pão era artigo de luxo, bem como o leite, a carne, os condimentos, os legumes (estes últimos desconhecidos na casa do trabalhador). E quanto à moradia, estava confinada a barracões em fundo de quintal, em porões insalubres, em casebres geminados (cortiços) próximos às fábricas e pelos quais pagavam de aluguel mensal 15, 20, 30 mil-réis. Esse proletariado fabril, em grande parte feminino e constituído de mocinhas, era o preferido para a indústria têxtil, trabalhando das 6 da manhã as 7 e 8 horas da noite, com uma hora intermediária para o almoço.

A anemia e a tuberculose faziam abundante ceifa anual. Na indústria metalúrgica ou mecânica, o número de menores também era predominante, com exceção de um reduzidíssimo número de técnicos (mecânicos, ferramenteiros, moldadores, fundidores), o restante era constituído de carvoeiros, alimentadores de fornalha, fazendo serviços quase suicidas pelas bronquites, pneumonias, reumatismos que iam contraindo. Os menores, em que se contavam rapazinhos de oito anos, eram empregados em serviços pesados, alguns incompatíveis com sua idade e sua constituição física.

As forças conservadoras inquietavam-se com a agitação popular, principalmente com as rearticulações dos “tenentes” militares e civis. Percebendo que era preciso assumir a direção da conspiração para evitar que ela tomasse rumos considerados radicais, as oligarquias dissidentes aderiram ao movimento. “Façamos a revolução antes que o povo a faça” declarou o presidente mineiro Antônio Carlos Andrade.

  Linha do Tempo

   
   
   
   
   
   
   
   
   
    2010

  Links Relacionados

Aqui é o meu lugar.
A Família Baraúna.
As Grandes Secas e a Hevea
A queda abrupta do preço da borracha
Sistema Preventivo Salesiano
Da borracha ao café
A Grande Crise.
Manaus de 1937
Cosme Ferreira e as questões amazônicas.
Anos 30 - O país de costas para a Amazônia.
As formas de contestação à censura da década de 1930.
Lições da Floresta
A História da Associação Comercial do Amazonas - ACA.
A posição do Brasil na Segunda Guerra.
Segunda Guerra Mundial e a Batalha da Borracha
Grandes Pensadores e Empreendedores da Amazônia.
A Criação do INPA
O empresário Moysés Benarrós Israel
A Zona Franca de Manaus
José Ribamar Bentes Siqueira
O nascimento de Petronio Augusto Pinheiro - Uma constelação fulgurante
Quem foi Heitor Dourado
Entrevistados

  Tags

Categoria Amazônia / Era Vargas / II Guerra Mundial / Segundo Ciclo da Borracha /

  
 
® 2012 - 2018 Memorial Petronio Augusto Pinheiro
  |  DESENVOLVIMENTO