Memorial Petronio Augusto Pinheiro
PRINCIPAL AMAZÔNIA BIOGRAFIA EMPREENDEDOR FAMÍLIA DOCUMENTOS ÁLBUM VÍDEOS AUDIOTECA LIVRO DE VISITAS
Anos 30 - O país de costas para a Amazônia.
-A  A+

Um país de costas para a Amazônia, “o paiz das Amazonas”, revelado para a Europa através do olhar hipnotizado dos viajantes, missionários e naturalistas. Mistificada pelo olhar e cobiça externa, lembrada apenas internamente pelo glamour e folias do látex, que financiava o Congresso Nacional do período pós-monarquia e ajudava a consolidar a República nascente de Deodoro e Floriano, ajudando com a Polícia Militar do Amazonas, a mais apetrechada de equipamentos bélicos e arsenal de defesa do país, a sufocar Canudos, de Antônio Conselheiro. Essa Amazônia havia quebrado e o país, sequer, tomara conhecimento. Por isso era precisa reinventar a si mesma, ir além do verso e da prosa de sua apologia natural. Olhar mais pra cima e depois da curva de cada meandro e incerteza, fazer do exotismo e da extravagância o fio condutor de uma nova meada, romper com o lugar comum, redescobrir na aparente monotonia da paisagem o sentido de identidade, alteridade e brasilidade e a dialética imanente e transcendente dessa equação. Foram surgindo as obras de uma nova inteligência e resistência regional.

Muitos pensadores e empreendedores fizeram a Amazônia olhar para si mesma e despertar para um novo destino, tão antigo como o desafio de decifrar seus mistérios, desafios, contrastes e contradições. Araújo Lima, Artur Cezar Ferreira Reis, Moacir Paixão e Silva, Djalma Batista, Leandro Tocantins, Nunes Pereira, Cosme Ferreira e Samuel Benchimol para citar os mais destacados. A busca desses pensadores por reinventar caminhos para a Amazônia não ignora as mudanças expressivas do país, cujos reflexos se tornarão cada vez mais presentes no cotidiano da região. O Brasil é um país marcado por exclusões sociais ao longo de toda a sua história: saúde, educação, moradia... Daí os benefícios sociais concedidos pelo governo Vargas, a abertura do país para o capital estrangeiro e o avanço na direção da industrialização e da modernização estatal, e dos mecanismos de contenção dos conflitos sociais.

 

  Linha do Tempo

   
   
   
   
   
   
   
   
   
    2010

  Links Relacionados

Aqui é o meu lugar.
As Grandes Secas e a Hevea
A queda abrupta do preço da borracha
Sistema Preventivo Salesiano
Da borracha ao café
A Grande Crise.
Manaus de 1937
Cosme Ferreira e as questões amazônicas.
O Estado Novo e o desenvolvimento fabril.
As formas de contestação à censura da década de 1930.
Lições da Floresta
A História da Associação Comercial do Amazonas - ACA.
A Família Baraúna.
A posição do Brasil na Segunda Guerra.
Segunda Guerra Mundial e a Batalha da Borracha
Grandes Pensadores e Empreendedores da Amazônia.
A Criação do INPA
O empresário Moysés Benarrós Israel
A Zona Franca de Manaus
José Ribamar Bentes Siqueira
O nascimento de Petronio Augusto Pinheiro - Uma constelação fulgurante
Quem foi Heitor Dourado
Entrevistados

  Tags

1930 / Categoria Amazônia / Era Vargas / II Guerra Mundial / Segundo Ciclo da Borracha /

  
 
® 2012 - 2018 Memorial Petronio Augusto Pinheiro
  |  DESENVOLVIMENTO