Memorial Petronio Augusto Pinheiro
PRINCIPAL AMAZÔNIA BIOGRAFIA EMPREENDEDOR FAMÍLIA DOCUMENTOS ÁLBUM VÍDEOS AUDIOTECA LIVRO DE VISITAS
As Grandes Secas e a Hevea
-A  A+
A partir de 1827, a borracha amazônica passou a aparecer na pauta de exportação regional, com um embarque de 30 toneladas. Com a descoberta do processo de vulcanização, em 1839, e o aumento do uso dessa matéria-prima, os registros subiram para 1445 toneladas no quadriênio 1840; no período de 1875-1879, figuravam com 30 360 toneladas; em 1901, iria alcançar 30 241 toneladas e no auge do boom, em 1912, atingiu 42 286 toneladas, índice jamais atingido ulteriormente, até decair para 6 224 toneladas, no auge da depressão, em 1932. No auge do preço, em 1910, a borracha gerou 25 254 371 milhões de libras esterlinas de exportação, equivalente a 40% do total das exportações brasileiras. Se esse valor fosse atualizado em 1992, corresponderia a 1 295 296 689 bilhão de libras esterlinas.
 
No ano mais negro da depressão em 1932, com uma receita de exportação de 217 012 libras, correspondente a 6224 toneladas, a borracha amazônica havia perdido, se comparados os anos de 1910 com 1932, cerca de 99% de seu valor bruto e 85% em peso. No decorrer desse longo período, de quase 80 anos, a Amazônia recebeu uma considerável massa humana de migrantes nordestinos, aqui genericamente conhecidos como cearenses. Procediam geralmente das zonas do agreste e do sertão do Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e outros estados nordestinos, sendo tangidos pela seca – imigração por fome -, ora simplesmente atraídos pelo apetite da seringa – imigração por cobiça, fortuna e aventura, ou simultaneamente por ambos.
 
Geograficamente nascia, assim, uma nova Amazônia, baseada na seca e na hevea, e na conjunção de duas linhas, a de maior flagelo e sofrimento - o sertão – e a de maior resistência e atração – a floresta. As secas deslocaram 19910 retirantes. Em 1892, as entradas registraram uma migração de 13.593 nordestinos. De 1900, passando pelo apogeu de 1910, até a depressão, estimamos que a Amazônia recebeu mais de 150 mil cearenses, totalizando assim 300 mil migrantes nordestinos no período de 1877 a 1920.
 
Fonte: Samuel Benchimol - Amazônia, formação social e cultural.

 

  Linha do Tempo

   
   
   
   
   
   
   
   
   
    2010

  Links Relacionados

Aqui é o meu lugar.
A Família Baraúna.
A queda abrupta do preço da borracha
Sistema Preventivo Salesiano
Da borracha ao café
A Grande Crise.
Manaus de 1937
Cosme Ferreira e as questões amazônicas.
Anos 30 - O país de costas para a Amazônia.
O Estado Novo e o desenvolvimento fabril.
As formas de contestação à censura da década de 1930.
Lições da Floresta
A História da Associação Comercial do Amazonas - ACA.
A posição do Brasil na Segunda Guerra.
Segunda Guerra Mundial e a Batalha da Borracha
Grandes Pensadores e Empreendedores da Amazônia.
A Criação do INPA
O empresário Moysés Benarrós Israel
A Zona Franca de Manaus
José Ribamar Bentes Siqueira
O nascimento de Petronio Augusto Pinheiro - Uma constelação fulgurante
Quem foi Heitor Dourado
Entrevistados

  Tags

Borracha / Categoria Amazônia / I Guerra Mundial / Nilo Pinheiro / Ouro Branco / Seca 1888 - 1893 /

  
 
® 2012 - 2018 Memorial Petronio Augusto Pinheiro
  |  DESENVOLVIMENTO